Alegrai-vos no Senhor

               
     A alegria no Senhor não é natural ao nosso coração. Necessitamos da graça do Alto para que ela se manifeste.
     O pecado que corrompe a alma, o nosso fraco discernimento e os estímulos deste mundo nos levam a um caminho contrário à alegria no Senhor. Levam-nos ao descontentamento.
     Tão enganoso é nosso coração que conseguimos sentir intenso descontentamento mesmo vivendo na mais abundante graça de Deus. Em meio à fartura, nos descontentamos pelo objeto de desejo ainda não conseguido. Cobertos por palavras de afirmação, nos descontentamos com uma pequena crítica, mesmo feita com honestidade. Alvos da graça de Deus, que provê todas as coisas, nos descontentamos por uma oração ainda não respondida. Imersos em incontáveis bênçãos ao longo da vida, nos descontentamos justamente por aquela ainda não recebida. É da nossa natureza caída vivenciar o descontentamento mesmo em meio à insuperável graça e abundantes motivos de alegria.
     Perante este mar de descontentamento a ordem bíblica é contundente: “Alegrai-vos no Senhor!” (Fp 4.4). Aliás, a alegria no Senhor é alvo de diversos estímulos bíblicos. Somos convidados a nos alegrar porque “grandes coisas fez o Senhor por nós” (Sl 126.3), pelo “dia que o Senhor fez” (Sl 118.24), pois Ele é a nossa força (Ne 8.10) e é o Deus “da minha salvação” (Hc 3.18). Aqueles que se alegram no Senhor são os “retos de coração” (Sl 32.11), lembram-se da “Sua santidade” (Sl 97.12), reconhecem a Sua bondade (Jl 2.23) e sinceramente “buscam ao Senhor” (1 Cr 16.10; Sl 105.3).
     Alegrar-se no Senhor não é resultado de um mero sentimento, mas do reconhecimento da Sua bondade. Trata-se de enxergar que nenhuma tragédia da vida superará a Sua graça. Alegrar-se no Senhor é um exercício de fé, leva-nos à verdadeira adoração e fortalece a nossa fragilizada alma. Também minimiza a ansiedade, direciona para Deus as expectativas do nosso coração e nos faz olhar para o que de fato tem valor. Alegrar-se no Senhor alegra também a Deus, pois fomos feitos para reconhecer que o Seu amor nos basta.

Extraído do site da Ultimato – Autor: Ronaldo Lidório

Nenhum comentário:

Postar um comentário