Semeadores da Paz

Ao iniciar o sermão do monte pregando sobre as “Bem Aventuranças”, Jesus apresenta aos seus ouvintes um breve e intenso resumo do que podemos chamar de “alicerce da pregação cristã”. Disse Ele “bem aventurados os pacificadores, porque serão chamados filhos de Deus” Mt 5.9 (NVI). Esta afirmação de Jesus para um discípulo seu deve ser encarada como um grande desafio diário de fé. No entanto, para aqueles que não conhecem a Cristo sinceramente, pode soar como uma bela virtude a ser alcançada, mas abstrata.
A paz pregada nos evangelhos não é ilusória, mas real. Ela não se baseia nas situações da vida, porque ela é ultracircunstancial. Não é à toa que Paulo afirma que ela “excede todo o entendimento” Fp 4.7 (NVI), quer dizer, é superior ao entendimento humano. Mas como falar de paz se o que se vê no dia-a-dia em muitas pessoas é a desesperança rodeando corações e buscando enrolar seus laços aos pés de muitos? Como viver a paz em um mundo tão agitado e necessitado de direção? E se existem meios de viver a paz, como poderemos alcançá-la?
Chico Buarque cantando “Gota D`água” traduz seu sentimento de decepção a ausência de paz. Diz ele: “Deixe em paz meu coração... Que ele é um pote até aqui de mágoa... E qualquer desatenção, faça não... Pode ser a gota d'água”. Talvez seja este o sentimento de muitos. Sentimento de alguém que está no limite!
Outra coisa sobre a paz é que ela precisa ser semeada e cultivada. O tempo presente (2017) é marcado pelo consumismo que sustenta seu discurso no lema “compre algo que você não precisa, com o dinheiro que você não tem para mostrar para aqueles que você não conhece, aquilo que você não é”. Ao mesmo tempo, nem todo o conhecimento, nem toda a ciência, nem toda a tecnologia humana são capazes de dar aos homens o sentido da paz, certamente porque a humanidade insiste em buscar paz naquilo que não se pode encontrar.
Jesus nos ensina que a paz é a porta da reconciliação do ser humano com Deus, consigo e com o próximo. Uma paz contrária a do mundo, pautada em valores eternos e não temporais: “Deixo-lhes a paz; a minha paz lhes dou. Não a dou como o mundo a dá”. Jo 14.27 (NVI). Ainda nas Bem Aventuranças a palavra “pacificadores”, originalmente, traz o sentido de “fazedores da paz”, quer dizer, os que trabalham pela paz, os que semeiam a paz, os que lutam pela paz, os que aspiram à paz, são chamados de filhos de Deus.
Se você está no limite, faltando apenas uma gota d`água para explodir, busque a paz que vem de Cristo. Semeie a paz, cultive a paz e colha a paz. Assim, que onde estivermos, sejamos semeadores da paz. Paz que ultrapassa todo o entendimento, para um mundo carente de paz.

Rev. Matheus Santiago

Nenhum comentário:

Postar um comentário