Arte ou Depravação

A sociedade brasileira se dividiu diante da controvérsia sobre três eventos supostamente artísticos como a Exposição Queermuseu, financiada pelo Banco Santander, cujos quadros mostram crianças sendo abusadas sexualmente e homens tendo relações sexuais com animais; 
No outro evento, o Museu de Arte Moderna (MAM), em São Paulo, colocou um homem nu deitado como expressão artística (quem lê, entenda), e uma criança de quatro anos é incentivada pela própria mãe a tocar no corpo daquele homem desconhecido supostamente para aprender a lidar com a nudez; 
O terceiro evento, um pouco mais antigo, foi a polêmica performance intitulada Macaquinhos, apresentada como parte da programação da 17a Mostra Sesc Cariri de Culturas; em Juazeiro do Norte, no qual um grupo de nove atores tocam nos ânus uns dos outros em uma roda, enquanto dançam. Esta apresentação aconteceu pela primeira vez em 2011, e se repetiu até 2014, no Festival Mix Brasil em São Paulo, financiado pelos recursos do Sistema S, com dinheiro do Governo Federal. Impostos pagos por cidadãos comuns como nós.
A TV Globo, motivada por, sabe lá qual motivo, saiu em público para defender tais expressões artísticas (sic!), apesar de todas estas cenas ferirem o decoro, a moral e a família, e diga-se de passagem, serem de péssimo senso estético. Cenas de depravação travestida de arte.
Quais são os objetivos “artísticos”, por detrás desta decadência supostamente cultural? O que se objetiva com tais movimentos? Um ataque à família? Aos valores? À Igreja?
Na verdade, não. De forma direta tais ataques afrontam o Deus santo. Historicamente isto tem se repetido com determinada constância. Quando o povo de Sodoma e Gomorra enveredou pela perversão, Deus afirmou algo perturbador: “Descerei e verei se, de fato, o que tem praticado, corresponde a este clamor que é vindo até mim; e, se assim não é, sabê-lo-ei” (Gn 18.21).
Aqueles que ficam chocados com estes cenários descritos acima, precisam lembrar que tais expressões sacrílegas, não são, em primeira instância contra nós, mas contra Deus.
A depravação pode ter nomes bonitos e se esconder em supostas manifestações artísticas, mas precisamos lembrar que “a nova moralidade, nada mais é que a antiga imoralidade” (Francis Schaeffer). Infelizmente a arte também sofre os efeitos da degradação moral da humanidade e reflete os anseios depravados do coração moral e espiritualmente afetado. A boca fala daquilo que o coração está cheio. A arte reflete o coração.
                                                                                                                    
Rev. Samuel Vieira 

Nenhum comentário:

Postar um comentário