Qual é o propósito de Deus para o seu povo?


A pergunta acima era a que mais incomodava John Stott e seus amigos, quando eram jovens. E depois de muito tempo, ele registra em seu último livro a resposta a essa questão: “Deus quer que o seu povo se torne como Cristo, pois semelhança com Cristo é a vontade de Deus para o povo de Deus”. (O discípulo radical, pg.23)
Partindo desse texto de Stott, vamos até a Bíblia, vamos à fonte em busca de um texto que confirme essa ideia. Vamos a II Pe. 1:3,4:
“Seu divino poder nos deu tudo de que necessitamos para a vida e para a piedade, por meio do pleno conhecimento daquele que nos chamou para a sua própria glória e virtude. Dessa maneira, ele nos deu as suas grandiosas e preciosas promessas, para que por elas vocês se tornassem participantes da natureza divina e fugissem da corrupção que há no mundo, causada pela cobiça”. Bíblia NVI
Nesse texto de Pedro, há duas expressões que confirmam a tese do teólogo anglicano: “...nos chamou para a sua própria glória e virtude” e “...se tornassem participantes da natureza divina”.
Deus, em Cristo, nos chama para sermos semelhantes a seu Filho; e ainda, segundo Pedro com um propósito, a saber, para que fujamos da corrupção que há no mundo, causada pela cobiça.
Não é a cobiça pelo poder que tem levado o Brasil à bancarrota, e isso desde muito tempo? Não é a cobiça pelas coisas que muitas vezes nos leva a ocupações demasiadas, o que pode levar nossa vida familiar à dissolução?
Portanto, como diz Pedro, Deus já nos deu tudo para uma vida agradável a nós mesmos e a Ele. Entretanto cabe a nós cultivarmos as virtudes próprias da fé cristã (II Pe.1:5-7) . “Pois são essas as qualidades que vocês precisam ter. Se vocês as tiverem e fizerem com que elas aumentem, serão cada vez mais ativos e produzirão muita coisa boa como resultado do conhecimento que vocês têm do nosso Senhor Jesus Cristo”. II Pe.1:8 – BLH (Bíblia na Linguagem de Hoje)
Você já sabe qual o propósito de Deus para sua vida. E a Igreja é o meio que Ele lhe oferece para atingir esse propósito maravilhoso.
Rev. Joel

Intercessão

Vamos interceder em oração pelas seguintes pessoas (atualizada até 22/04/2016):

Leandro e Ramon (primos da Liziane), Márcia Helena Marques, Enezilda Machado Vieira, Fabrícia Vieira (amigas da Cida Losso), Naurete (esposa do amigo do Guto), Volnei Bristot (cunhado da Reintraut), Eunice (cunhada da Inésia), Mauro Caldeira de Andrada, Huri Gomes Mendonça, Marco Aurélio C. Pereira, Valmíria Macedo Lisboa, Graça Fernandes, Neusa Mendonça, Pr. Paulo Solonca, Gabriel (filho do amigo do Deodoro), Joel Guimarães, Rafael Bianchini (sobrinho do Moacir), Zilda Cavallazzi, Henrique Rios Martins e Rev. Otávio.

“Muito pode, por sua eficácia, a súplica do justo”. (Tg. 5:16)

Um remédio para a exaustão interior


Ao longo de minha vida, algumas vezes me deparei com um estranho sentimento de exaustão interior. Nestes momentos, fui tomado pela consciência de minha completa incapacidade em corresponder às expectativas das pessoas em relação a mim.
Bernardo de Claraval, monge francês que viveu entre os séculos XI e XII, disse que tudo o que somos e fazemos deve ser fruto não de nossas próprias reservas, mas do transbordar da água viva que Jesus derrama em nossas vidas. Podemos, assim, dedicar-nos a algo sem nos exaurirmos; dar-nos sem nos esgotarmos; cuidarmos de outros sem cometer o equívoco de não cuidarmos de nós mesmos. Se, contudo, abandonamos esta relação constante com a pessoa de Cristo, fechamo-nos para a fonte que abastace o nosso reservatório interior e deixamos de receber a água viva que emana do Pai. No entanto, a falta de conexão com a fonte primária da água viva nos conduzirá, mais cedo ou mais tarde, à sequidão.
Essa dimensão de vazio interior foi comparada por Jesus, quando do memorável diálogo com a mulher de Samaria, com a sensação humana da sede. Ela não sabia, mas tinha diante de seus olhos aquele capaz de saciar a sede existencial que existe dentro dos corações de homens e mulheres. Sede de sentido para vida, sede de sentir-se valorizado ou amado por alguém. Um de nossos grandes erros, humanos que somos, é o de tentar lidar com o sentimento de vazio interior que insiste em nos acompanhar ao longo da vida através de conquistas. Queremos acumular coisas, ser amados pelos outros, atingir grandes realizações; enfim, queremos ser felizes com a vida.
Assim, termino com uma confissão. Muitas vezes, a exaustão interior que me assalta é decorrente do meu descuido de viver a partir de mim mesmo, ou do equívoco de buscar nos projetos e nos relacionamentos o que somente em Jesus posso ter. Por isso, quando tomado pelo sentimento de cansaço, me aquieto na Sua presença e volto a escutar o convite amoroso e paciente para beber da água que somente Ele pode me oferecer. É esta água viva que nos capacita a renovar nossas forças físicas e emocionais, bem como a nos libertar das buscas infindáveis que drenam nossas energias e nos fazem reféns de nossos próprios anseios. Somente assim, como diz a Escritura, fluirão rios de nosso interior. Rios da mais pura água – a água da vida.
Pr. Ricardo Agreste da Silva

Qual o destino dos dízimos e ofertas?


Esse artigo é dirigido especialmente aos membros da igreja, mas não apenas a eles, pois temos pessoas que mesmo não sendo membros, contribuem financeiramente com regularidade, ao passo que pode haver membros que infelizmente nunca contribuem ou contribuem muito esporadicamente. Não se esqueça que contribuir através dos dízimos e ofertas é um princípio bíblico: “Tragam o dízimo todo ao depósito do templo, para que haja alimento em minha casa. Ponham-me à prova, diz o Senhor dos Exércitos, e vejam se não vou abrir as comportas dos céus e derramar sobre vocês tantas bênçãos que nem terão onde guardá-las”. (Ml.3:10). E esse princípio foi confirmado por Jesus e pelo apóstolo Paulo.
       Os dízimos e ofertas se destinam a:
•      Sustento dos pastores e funcionários
•      Diaconia (atendimento a necessidades materiais de membros da igreja ou de outras pessoas)
•      Departamentos internos (SAF, Coral, UPA/UMP, UCP, UPPA, Escola Dominical, Encontro de Casais com Cristo, Grupos Pequenos, Grupos de Louvor, Culto Infantil, EBF)
•      Manutenção dos prédios da Igreja e da Prainha
•      Contribuição mensal com o Presbitério (outras igrejas da nossa região)
•      Contribuição mensal com o Supremo Concílio (missões, evangelização...)
•      AEBAS Prainha: Projeto que visa beneficiar 70 crianças e suas famílias no morro da Prainha
•      Projeto Siloé: Recuperação de dependentes de drogas e assistência a portadores do HIV (sempre que solicitado)
•      Missão Caiuá (trabalho evangelístico e social com os índios no Mato Grosso do Sul)
•      Sociedade Bíblica do Brasil e Gideões Internacionais (distribuição de Novos Testamentos em escolas, hospitais e hotéis)

Se você acha importante e relevante contribuir com a Igreja, então continue. E se você ainda não o faz, pense e reflita no privilégio de contribuir fiel e regularmente com a Igreja e suas causas tão importantes, que objetivam abençoar pessoas e promover a glória de Deus e o seu Reino.

O Deus dos cristãos é um Deus de braços abertos para a alma aflita


"Pois eu sou o Senhor, o seu Deus que o segura pela mão direita e lhe diz: Não tema; eu o ajudarei". Isaías 41:13
Por ser uma realidade acima de qualquer outra realidade ou por ser uma ficção criada ou alimentada pela preocupação com a morte, “a ideia de Deus jamais morrerá, ou melhor, morrerá apenas com o último homem”.
O problema da humanidade em todos os tempos não é o ateísmo. Apesar de todas as filosofias e de todos os movimentos contrários ao teísmo, o ser humano continua mantendo sua fé nos deuses (a grande minoria) ou em Deus (a grande maioria). Segundo o sociólogo americano Phil Zuckerman, os ateus ao redor do mundo seriam apenas 11% da população (pesquisa realizada em 2007), problema ligeiramente maior para o gênero masculino. O grupo que mais cresce é o formado pelos “sem-religião”, mas nem todos são ateus.
O problema acentuadamente preocupante é que um bom número daqueles que creem em Deus não acredita que ele esteja de braços abertos para sua alma aflita. Eles nunca leram a resposta à primeira pergunta do célebre “Catecismo Menor”, preparado pela Assembleia de Westminster, que reuniu os mais competentes e fervorosos teólogos da Inglaterra na Abadia de Westminster, em Londres, a partir de 1º de julho de 1643. A pergunta inicial é: “Qual é o fim principal do homem?”. E a resposta é: “O fim principal do homem é glorificar a Deus e gozá-lo para sempre”. O propósito número 1 do ser humano não é exclusivamente adorar a Deus. Além de magnificar a Deus, a criatura pode e deve “gozá-lo para sempre”. O que significa o verbo gozar? Os sinônimos desse verbo são: aproveitar, fruir, desfrutar, desfruir, deliciar-se, experimentar prazer, achar graça. Então, o fim principal da criatura é deliciar-se com o Criador, é desfrutar de seu amor, de sua graça, de sua presença, de seu perdão, de seu consolo, de sua paciência, de seu poder, de sua glória. Em resumo: desfrutar de seus braços abertos -- quando a alma está aflita ou não.
Contudo, para aprender a lidar com sabedoria e acerto com os incômodos da presente vida, não é preciso esperar o fim do mundo. Poderia ter começado ontem. Se isso não ocorreu, pode começar hoje!

Extraído da Revista Ultimato - Edição 347

O SENHOR RESSUSCITOU



 “Senhor nosso Deus, quando estamos com medo, não permita que desesperemos. Quando estamos desapontados, não permitas que a amargura tome conta de nós. Quando nosso entendimento e nossa força se esgotarem, não nos deixe perecer! Que sempre sintamos a tua presença e o teu amor!” KARL BARTH, 1886-1968, TEÓLOGO SUÍÇO.
 “Ao cair da tarde daquele dia, o primeiro da semana, trancadas as portas da casa onde estavam os discípulos com medo dos judeus, veio Jesus, e pôs-se no meio e disse-lhes: Paz seja convosco!” (Jo. 20:19).
Medo, confusão, insegurança, eram sentimentos que tomaram conta da vida dos discípulos de Jesus naquele longo final de semana. Os motivos da prisão, condenação e morte de Jesus eram políticos e os discíplulos, logicamente, suspeitos de conspiração.
Seu líder agora estava morto, certamente eram também procurados e seu destino não seria diferente. A casa estava com as portas trancadas, qualquer ruído era suspeito. De repente, Jesus põe-se no meio deles com uma saudação inesperada e, ao mesmo tempo, redentora: “Paz seja convosco!”
Foi logo mostrando as mãos, o lado, as feridas, para não haver nenhuma dúvida. De repente a alegria estava de volta, o medo desaparece; abraços e conversas tomam conta daquilo que até então era silêncio e perplexidade. “Paz seja convosco!” é a saudação da ressurreição, é a palavra de Deus para os corações apreensivos, cansados, apavorados, perplexos. É o convite para a vida, para abrir as portas, destrancar as janelas, para cantar e sorrir. É o convite para a missão (“assim como o Pai me enviou, eu também vos envio”), para sair e contar as boas novas de que o projeto do reino continua, não foi sepultado, a morte não o venceu. Aleluia! O Senhor ressuscitou.
O que é que domina seu coração: A paz do Senhor que venceu a morte, ou as ansiedades e pressões que o mundo impõe sobre você?
Ore hoje para que a coragem da igreja diante dos desafios de sua missão seja fruto da presença do Senhor ressuscitado. Que a igreja entre no mundo e viva nele como o Senhor entrou e viveu.

 (Extraído do Devocionário Para Celebrar a Páscoa – Meditação e Liturgia do Pr. Ricardo Barbosa)

NÃO SE ABORREÇA

Diante do impacto das questões político-sociais que evolvem a nação brasileira, e como exemplo recente, pudemos constatar com atenção os movimentos e as ações da polícia federal cumprindo mandado de condução coercitiva, na 24ª fase da operação chamada "Lava Jato". As muitas prisões de políticos e empresários envolvidos em desvio de dinheiro público. O descaso com a segurança a saúde e o desemprego. A falta de diálogo e as respostas que todos estão buscando, são parte dos movimentos de manifestações e protestos legítimos que levaram a nação no último domingo, dia 13/03/16, a irem às ruas pacificamente, expressar sua discordância e legal indignação contra o "status quo". Tudo isto é de tirar o fôlego de qualquer cidadão brasileiro.
Porém creio ser este o momento de todos nós cristãos brasileiros, olharmos para a sensata orientação que o Salmo 37 nos instila:
"NÃO SE ABORREÇA POR CAUSA DOS HOMENS MAUS E NÃO TENHA INVEJA DOS PERVERSOS, MAS CONFIE NO SENHOR E FAÇA O BEM.”
“DESCANSA NO SENHOR E AGUARDE POR ELE COM PACIÊNCIA; NÃO SE ABORREÇA COM O SUCESSO DOS OUTROS NEM COM AQUELES QUE MAQUINAM O MAL.”
“ENTREGA O TEU CAMINHO AO SENHOR, CONFIA NELE E ELE AGIRÁ.”
Podemos sim ter nossa opinião, ficarmos indignados, fazer nossas manifestações e protestos. Podemos e devemos sim lutar pelo que acreditamos. Porém precisamos cuidar para não perdermos o equilíbrio. A Bíblia sagrada diz: "Não se aborreçam, por causa dos homens maus". Isto quer dizer, "não vale a pena", cuidado, se aborrecer demais pode torná-lo duro, insensível. Se você se aborrecer tanto, pode até adoecer.  A recomendação é, entrega a Deus, confia em Deus, ore a Deus.  Ele pode e vai cuidar, pois afinal tudo está sob o controle Dele. Os maus não irão prevalecer, o mal não vai triunfar, porque Deus sabe muito bem o que está fazendo. Então não se aborreça tanto a ponto de perder a ternura e nem se indigne tanto a ponto de perder a fé, mas confie, entregue e descanse a tua vida e o teu caminho  em Deus.

Rev. Edson

Mulheres sobrecarregadas


    "Devo investir no amor, na família ou na realização profissional?". Este ainda é um dilema que parece ser vivido pelas mulheres ainda em pleno século 21. Devido a paradigmas (gerados pela cultura ou religião), muitas ainda vivem guiadas pela ideia de que precisam “dar conta de tudo e de todos”, mas isto é quase impossível.
Certo dia, em uma palestra sobre famílias, me surpreendi ao ouvir o relato fantástico de um marido sobre “afazeres domésticos”. Quando questionado se ele ajudava sua esposa, devido ao fato dela trabalhar fora de casa, ele respondeu com um sonoro “Não!”. Depois de surpreender o público com a resposta um tanto inusitada, ele continuou: “Não ajudo! Eu faço a minha parte”. Mas o que ele quis dizer com isso? O termo “ajudar” supõe que ele estaria seguindo a iniciativa de outra pessoa, quando, na verdade, a casa pertence à família como um todo. Ou seja, ele cumpre com o combinado entre ele e sua esposa, na divisão de tarefas em casa.
Quando uma mulher pede ao seu marido ou filhos que a “ajudem em casa”, isto soa como se eles estivessem “fazendo um favor a ela” e acabam esquecendo-se de que participar das atividades domésticas em conjunto beneficiam a todos que integram àquele lar. Responsabilidades e privilégios fazem parte do sistema familiar.
Uma mulher sobrecarregada pode começar a sentir-se também cobrada, culpada, cansada e frustrada. Por consequência, pode também não olhar para si mesma como uma mulher suficientemente realizada – seja dentro ou fora de casa.
Por outro lado, há aquelas mulheres que trabalham fora e se dizem exaustas, cansadas, devido a uma “jornada dupla de trabalho”, mas também não aceitam trabalhar em equipe dentro de seus lares.
Mesmo reclamando que precisam “dar conta de tudo”, são perfeccionistas e assumem a liderança das atividades domésticas de uma forma arbitrária. Se os membros da família não atendem a um pedido, exatamente do jeito que ela imagina que deve ser feito, então eles estão “errados”. Em uma fala contraditória, afirmam que estão cansadas, mas não permitem que cada membro da família aprenda a dar a sua contribuição no lar.
A verdade é que estes dois extremos desgastam as relações familiares. A manifestação do amor da mulher acaba se traduzindo em trabalho - seja por culpa, seja por uma exigência exacerbada. Isso pode vir dela mesma ou dos membros de sua família.
A verdade é que a mulher tem, sim, um papel extremamente relevante, não apenas no contexto familiar, mas também na sociedade como um todo - já que ela ocupa funções diversas: mãe, esposa, amiga, profissional bem sucedida.
A Bíblia diz: “Aquele que encontra uma esposa, acha o bem, e alcança a benevolência do Senhor”. (Provérbios 18.22) e “A mulher sábia edifica sua casa, mas a tola a derruba com as próprias mãos” (Provérbios 14.1).
Leonora Ciribelli (Revista Ultimato Online)

Como investir na felicidade?

Há pouco tempo assisti a uma palestra interessante. Pesquisadores de Harvard fizeram um estudo com 724 homens. Durante 75 anos pesquisaram em cada um deles diversos parâmetros que mediam felicidade, como: satisfação pessoal, saúde, realizações de vida, bem estar, contentamento próprio. Tal estudo já está na sétima geração de pesquisadores.
O incrível é que 60% dos entrevistados ainda estão vivos. A maioria já na casa dos 90 anos.
No início da pesquisa, a pergunta era: “O que é importante para que você seja feliz?” A maioria respondeu: “ser rico”. Ter muito dinheiro! Outro grupo aspirava ser famoso em alguma área.
Dois grupos foram escolhidos. O primeiro formado por finalistas de Harvard em 1938. Quer dizer: gente com recursos, a classe A da sociedade. O segundo grupo escolhido era formado pelos rapazes mais pobres de Boston. Famílias que moravam nos cortiços, sem água quente em casa... enfim, os que estavam à margem social da cidade.
Após 75 anos havia gente em todos os níveis sociais. Alguns homens haviam se tornado médicos; outros simples operários em obras. Um deles se tornou presidente dos Estados Unidos. Alguns se tornaram alcoólatras, outros esquizofrênicos; gente bem sucedida, enquanto outros totalmente improdutivos. Havia casos de ascensão social e exemplos de declínio financeiro total na vida.
Mas, afinal, qual a conclusão dessa pesquisa? Quem demonstrou, ao final, ter uma vida prazerosa, feliz, saudável e realizada? A pesquisa revelou que eram mais felizes, não os ricos ou famosos, mas os que desenvolveram bons relacionamentos! Os que se entrosaram com gente, e desenvolveram amizades saudáveis, na família ou na comunidade. O importante não era o número de amigos ou a duração do casamento, mas a qualidade dos relacionamentos, a sensação de saber que poderia confiar e contar com alguém em caso de necessidade.
A pesquisa mostrou que a solidão mata. Os que se isolaram eram mais propensos a doenças e se sentiam mais infelizes. Mostrou também que quem aos 50 anos se dedicava a bons relacionamentos, ao chegar aos 80 passava pelas dores da velhice com menos reclamações.
A grande conclusão é que ser feliz é desenvolver bons relacionamentos, ter amizades prazerosas e se envolver na família e na comunidade!
E você? Está investindo na sua felicidade? Ainda há tempo para reverter um futuro sombrio que aguarda os que se isolam, os egoístas, os que pensam mal, os orgulhosos. Gente assim sempre acaba só! Por outro lado, quando Jesus e os seus princípios mudam o nosso viver, começamos a viver uma vida mais dedicada aos outros, à família e à Igreja! Que tal investir na sua felicidade? Comece agora!


Pastor Paulo Brito (Revista Ultimato Online)

Geração Z

Eles não conheceram o mundo sem internet, não diferenciam a vida online da off-line e querem tudo para agora. São críticos, dinâmicos, exigentes, autodidatas, não gostam das hierarquias nem de horários poucos flexíveis. São os jovens da Geração Z, que nasceram depois de 1995.  É a geração do telefone celular. E também de famílias onde as figuras de autoridade deixaram de existir. Eles nasceram em uma Era completamente digitalizada. Com um comportamento extremamente individualista e, de certa forma, antissocial. Os valores familiares pregados pela Geração Baby Boomer, seguidos pela geração Y, já não são válidos (conversar com os pais, sentar-se à mesa, etc.). O contato virtual sobrepõe o mundo real. Esta também é chamada de Geração Silenciosa, pelo fato de estarem sempre de fones de ouvido (seja em ônibus, universidades, em casa…), escutarem pouco e falarem menos ainda – pode ser definida como aquela que tende ao egocentrismo, preocupando-se somente consigo mesmo na maioria das vezes.
Este é um relato bem sucinto de pesquisa que aborda apenas um dos temas pertinentes da mudança sócio comportamental que ocorre no mundo hoje. Isto sem falar dos desdobramentos dos setores de família, sexo e trabalho.  Vale aprofundar-se no assunto para melhor orientar nossas crianças (filhos).  Mas o que deixo é um alerta para todos nós, pais: - O mundo pode mudar, mas Deus não.  Os princípios da fé e da palavra de Deus por mais antigos, nunca mudarão, e o efeito transformador de poder restaurar e proteger continuará. Nosso esforço e trabalho hoje devem ser na direção de conectar nossos filhos de novo e de vez, a Cristo. Alimentar de novo e sempre a fé. Fazer voltar ao ponto que pode mudar o rumo pela ação poderosa do Santo Espirito de Deus.  Minha oração, é que aumente o percentual de jovens comprometidos com Deus, que eu possa contribuir para isto e que o dano não seja tão grave assim, como apontam as pesquisas. Convido você a fazer esta mesma oração.
"Como pode o jovem manter pura a sua conduta?  Vivendo de acordo com a tua palavra". Salmos 119:9.                                            
Rev. Edson

Salmos - a “Minibíblia”


Por ser uma coletânea de orações, poemas e hinos, de vários autores, escritos ao longo da história de Israel, do êxodo ao cativeiro babilônico, os Salmos são o mais antigo e mais usado hinário e livro de orações da história religiosa. Estão encaixados entre os chamados livros poéticos do Antigo Testamento (Jó, Salmos, Provérbios, Eclesiastes e Cântico dos Cânticos). É o livro mais querido e mais lido pela maior parte dos cristãos, principalmente porque descreve o relacionamento bem próximo da criatura humana com o Senhor. Os autores dos salmos são seres humanos, complicados, chorosos, emocionalmente instáveis, acentuadamente frágeis frente à tristeza, à melancolia, ao saudosismo, à dor, à doença, à morte e ao pecado. Todos estão atrás de um ombro para chorar, de um ouvido para ouvir e de duas mãos postas para abençoar. Todos sabem que há um Deus gracioso, glorioso, todo-poderoso, misericordioso para enxergar e enxugar lágrimas.
Atanásio, no século 3º, dizia que os Salmos são “um epítome de todas as Escrituras”. O monge Basílio Magno, no século 4º, dizia que os Salmos são “um compêndio de toda a teologia”. Lutero, no século 16, dizia que os Salmos são “uma Minibíblia e o sumário do Antigo Testamento”. Melanchthon, na mesma época, dizia que os Salmos são “a mais elegante obra existente no mundo”.
Em sua dedicatória do Comentário dos Salmos, de quatro grandes volumes, escrito em Genebra em 1557, o reformador francês João Calvino afirma que os Salmos são “a anatomia de todas as partes da alma”. O que ele quer dizer é que, no livro dos Salmos, “o Espírito extirpa da vida todas as tristezas, as dores, os temores, as dúvidas, as expectativas, as preocupações, as perplexidades, enfim todas as emoções perturbadoras com que a mente humana se agita” (“Salmos”, v. 1, p. 27).
Os vocativos “Ó Deus” ou “Ó Senhor” ou “Ó Altíssimo” ou “Ó Salvador” aparecem no mínimo 367 vezes nas orações e nos cânticos contidos no livro dos Salmos (uma vez para cada dia do ano). Em algumas invocações, os salmistas incluem o pronome possessivo: “Ó “meu” Deus” ou “Ó Senhor, “meu” Salvador”. Essas palavras invocando a atenção de Deus aparecem no primeiro versículo de setenta dos 150 salmos. Só no Salmo 119, o maior de todos, a ocorrência é de 31 vezes.
Os Salmos chamam a nossa atenção para o grande perigo do desperdício de Deus! Pois quem não grita “Ó Senhor”, quantas vezes forem necessárias, desperdiça aquilo que tem de mais precioso!

Extraído da Revista Ultimato – Edição 351 - Nov/Dez - 2014

PERTO DE DEUS

Esta semana li um escrito de Arnaldo Jabor, que interpretei não como um desabafo, dele, mas algo parecido com uma voz profética, apocalíptica, para esses tempos de turbulência desenfreada em nosso país. O que vale a pena ser lido na íntegra, transcrevo aqui apenas uma parte de seu discurso:
AI DE TI, BRASIL
"Ai de ti, Brasil, eu te mandei o sinal, e não recebeste. Eu te avisei e me ignoraste, displicente e conivente com teus malfeitos e erros. Ai de ti, eu te analisei com fervor romântico durante os últimos 20 anos, e riste de mim. Ai de ti, Brasil! Eu já vejo os sinais de tua perdição nos albores de uma tragédia anunciada para o presente do século XXI, que não terá mais futuro. Ai de ti, Brasil – já vejo também as sarças de fogo onde queimarás para sempre! Ai de ti, Brasil, que não fizeste reforma alguma e que deixaste os corruptos usarem a democracia para destruí-la. Malditos os laranjas e as firmas sem porta.
Tu não viste o sinal, Brasil. Estás perdido e cego no meio da iniquidade dos partidos que te assolam e que contemplas com medo e tolerância?".
Deduzi disto, que o alerta de Deus a humanidade ao longo dos séculos, orientando homens e mulheres ao caminho correto, enfatizando a necessidade de ouvir sua Palavra e permanecer perto D'Ele, é o que deveríamos com perseverança e determinação observar até o último dia de nossas vidas.
Mas infelizmente, colhemos o fruto de uma geração onde a sua maioria tem optado pela distância de Deus.  Quem dera uma sociedade inteira pudesse observar com ênfase o que a Bíblia diz: "Bendita a nação cujo Deus é o Senhor" ou as palavras do profeta que diz: " Eu e minha casa serviremos ao Senhor ".
A proximidade de Deus gera comportamentos morais que podem mudar a história. A minha história a sua história, a história de um país.  A proximidade de Deus faz você se parecer com Cristo, e isto pode transformar a sua vida e a de seu próximo para sempre. Por isso eu opto hoje por examinar as escrituras, orar em todo tempo e reconhecer o Cristo, e opto por permanecer perto de Deus. E convido você a ter esse mesmo desejo é a fazer esta mesma oração.
 Rev . Edson

MÊS DE FEVEREIRO - HOMENAGENS


1º DOMINGO - DIA DO HOMEM PRESBITERIANO
2º DOMINGO - DIA DA MULHER PRESBITERIANA
A SAF da nossa Igreja homenageia esses HOMENS e essas MULHERES pelo seu dia, dirigindo-lhes palavras de meditação e encorajamento.
Ambos cristãos, vivendo nesses tempos de tribulação, de tecnologia avançada, de constantes transformações e de intensa pressão, devem estar atentos pra viver em comunhão constante com Cristo Jesus, tementes a Deus e embasados nos frutos do Espírito como o amor, a alegria, a paz, a longanimidade, a benignidade, a bondade e a fidelidade.
Precisamos encontrar homens de honra, corajosos e compromissados, como Abraão que levantou altares para adorar a Deus, como Josué que disse pra sua nação “Eu e a minha casa serviremos ao Senhor”, como Paulo que colocou sua vida para servir a Cristo, que também vençam a mentira através da verdade e cuja vida seja reflexo da palavra.
Precisamos encontrar mulheres resolutas na apresentação do evangelho, corajosas e de submissão ao Senhor a exemplo de Joquebede, Ana, Débora e Ester, entre outras, bem como mansas e humildes de coração, sendo úteis na sua igreja e sua sociedade e buscando a sabedoria que emana de Deus.
Homens presbiterianos e mulheres presbiterianas sejam sempre agradecidos e sejam uma geração que ora, que é fiel, que é modelo na família e busca a santificação.

PARABÉNS E QUE DEUS OS ABENÇOE HOJE E SEMPRE!

“Vós sois o sal da terra.....vós sois a luz do mundo.....e glorifiquem a vosso pai que está no céus” Mt 5:13,14 e 16
Secretaria de Sociabilidade e Causas da IPB da SAF/Fpolis
(Texto adaptado)

Uma Carta de Jim Elliot a seus Pais


Jim Elliot, que morreu como mártir nas praias do Equador, a seus pais quando lhes disse que estava partindo:

“Não me surpreende que vocês fossem entristecidos com a notícia da minha ida para a América do Sul. Isso não é nada mais do que aquilo que o Senhor Jesus nos advertiu quando ele disse aos discípulos que deveriam se tornar tão apaixonados com o reino e em segui-lo de tal forma que todas as outras alianças devem se tornar como se nunca tivessem sido feitas. E ele nunca excluiu o laço familiar.
Na verdade, esses amores que consideramos como mais íntimo, ele nos disse que deveriam se tornar como ódio, em comparação com os nossos desejos de defender sua causa. Não se entristeçam, então, se os seus filhos parecem abandoná-los, mas, em vez disso, alegrem-se de ver a vontade de Deus realizada com alegria. Lembrem-se como o salmista descreveu os filhos? Ele disse que eles eram como uma herança do Senhor, e que todo homem deveria ficar feliz se tivesse a sua aljava cheia deles. E do que é cheia uma aljava senão de flechas? E para que servem as flechas se não forem para serem atiradas? Assim, com os braços fortes da oração, puxa-se a corda do arco para trás, lançando as flechas — todas elas, direto nos exércitos do inimigo.”

“Consagre teus filhos para levarem a mensagem gloriosa, Dê de tuas riquezas para acelerá-los em seus caminhos, Derrama a tua alma por eles em oração vitoriosa, E tudo o que gastastes, Jesus te retribuirá.”

Jim Elliot 

O passo seguinte



"...aquele, porém, que perseverar até o fim, será salvo " Mateus 10:22
Dizem que o brasileiro é muito bom em iniciativa, mas péssimo em acabativa. Parece que há um pouco de verdade nessa conversa. Esteiras que funcionam como cabide; pares de tênis usados apenas três vezes para as “caminhadas de todos os dias”; cursos de inglês do segundo módulo; dietas interrompidas na primeira tentação; mestrados com matrículas trancadas; consultas médicas procrastinadas; casos de amor mal acabados – aliás ela não sabe até hoje se acabou ou não acabou; são experiências muito comuns aos mortais como eu e você.
Os chineses dizem que uma longa viagem começa com o primeiro passo. Mas o primeiro é sempre o mais fácil. O problema está em continuar dando os outros milhares de passos que nos levarão ao destino desejado. Botar o pé na estrada é uma delícia – quer coisa mais gostosa do que pegar a estrada no final de semana prolongado? O negócio é seguir viagem com o mesmo entusiasmo, e sem dar uns tapas nas crianças do banco de trás, ou sem perder a boa nos congestionamentos da estrada e no pedágio.
A razão porque as pessoas deixam as coisas pela metade é que funcionam com o paradigma errado de sucesso e felicidade. Acreditam que a felicidade é um lugar onde se chega: os sete quilos a menos, a fluência na língua, o acréscimo da Pós no currículo, a chegada na casa da praia. Errado. A felicidade não é um lugar onde se chega, é um jeito como se vai. A felicidade não está na noite do casamento, mas na convivência prazerosa. Também não está na formatura, mas na experiência do curso. (Não está na inauguração do prédio, mas no ambiente que se constrói todos os dias).
   Uma coisa é certa: quem não é capaz de extrair o melhor da jornada, não consegue manter o pé na mesma estrada. O primeiro passo é importante. Mas o segredo do sucesso e da felicidade está nos outros passos depois dele.

Adaptado por Rev. Edson.

Pode ser diferente


     “Pois eu bem sei os planos que estou projetando para vós, diz o Senhor; planos de paz, e não de mal, para vos dar um futuro e uma esperança.”  Jeremias 29:11
     Há quem diga que o inferno é aqui na terra. Tem até um ditado que fala: "Aqui se faz, aqui se paga". Eu não acredito nisso. A terra não chega nem perto do que é o inferno como descrito na Bíblia.
     O poeta italiano Dante Alighieri escreveu na sua obra "A divina comédia". - Na Porta do inferno está escrito: - " Perdei ó vós que entrais, toda a esperança"
      Perdei ó vós que entrais, no inferno toda a esperança.
     Para o poeta, o inferno é lugar de perda total, não há mais o que fazer o que esperar, e aí o lamento perpétuo.
     Porém, assim, se o sinônimo do inferno é sofrimento e dor, condição onde não há possibilidade de mudança. É verdade também que o céu é lugar de esperança.
     E aqui onde estamos não é o inferno. Aqui as situações podem mudar. Aqui a tribulação pode passar. Aqui ainda podemos reverter e continuar o caminho, aqui podemos esperar e vencer as tempestades, as perdas, porque aqui é a terra, e aqui com todos os percalços podemos sim ainda, ter esperança.
     Por isso o profeta Jeremias vai dizer, em meio a desolação, a dor, a proliferação do mal: "Quero trazer à memória o que me pode dar esperança. Esta cena que os meus olhos contemplam não é definitiva, este sofrimento não vai durar para sempre essa dor não é eterna as coisas não precisam continuar como estão".  Na verdade, é preciso dizer assim: - tudo pode ser diferente. A minha vida pode ser diferente. Eu posso ser diferente. Há lugar para outras possibilidades. Isso é esperança. A promessa de Deus é que Ele estaria conosco todos os dias até o fim, não estamos sozinhos.
     Deus diz: 
     Pois eu bem sei os planos que estou projetando para vós, diz o Senhor; planos de paz, e não de mal, para vos dar um futuro e uma esperança.
     Victor Frankel, que viveu no campo de concentração, disse: O ser humano pode viver 40 dias sem comida, 3 dias sem água, alguns minutos sem ar, mas não pode viver um só segundo sem esperança.
     Sendo assim vamos nos encorajar e seguir, sabendo que temos a frente o Deus da nossa salvação, porque a esperança nunca pode morrer.

Rev. Edson

Individualismo X Comunhão fraterna



“Como é bom e agradável quando os irmãos convivem em união!” Salmos 133:1

Nesta semana, queremos lidar com os empecilhos da comunhão fraterna. Uma antiga lenda judaica nos mostra, de forma muito clara e simples, que a comunhão fraterna depende de uma decisão do nosso coração: querer amar e servir aos outros em vez de só pensar em si mesmo.
     Um rabino conversava com o Senhor sobre o céu e o inferno. “Vou lhe mostrar o inferno”, disse o Senhor, e conduziu o rabino a uma sala no meio da qual havia uma grande mesa redonda, com pessoas famintas e desesperadas sentadas à sua volta. No meio da mesa, havia uma tigela de sopa grande o suficiente para todos. O aroma da sopa era delicioso, deixando o rabino com água na boca. As pessoas ao redor da mesa seguravam colheres com cabos muito compridos. Cada uma delas podia alcançar a tigela e pegar uma colherada da sopa. Todavia, como o cabo era mais comprido que o braço, não conseguia colocar a colher na própria boca. O rabino viu que o sofrimento delas era terrível.
     “Agora vou lhe mostrar o céu”, disse o Senhor, e eles entraram em outra sala, exatamente igual à primeira. Havia a mesma grande mesa redonda e a mesma tigela de sopa. As pessoas, como antes, estavam equipadas com as mesmas colheres de cabo comprido – mas aqui estavam todas nutridas e rechonchudas, rindo e conversando. A princípio, o rabino não entendeu. “ É simples, mas exige certa habilidade”, explicou o Senhor. “Veja, elas aprenderam a alimentar umas às outras. ”
     Nosso individualismo e egoísmo aprisionam-nos no inferno, já aqui neste mundo, enquanto uma alegria celestial permeia o coração daqueles que amam de verdade.

Dieter Kirsch
Extraído do devocionário Orando em Família (Vol. 16).

A promessa




            “Estou dando cada metro quadrado que seus pés pisarem, como prometi a Moisés”. Js.1:3
            “Terra. Terra que mana leite e mel. Terra prometida. Terra Santa. Terra de Canaã. A terra. Josué, sucessor de Moisés na liderança de Israel, estava às margens do rio Jordão, pronto para entrar e conquistar Canaã, uma faixa de terra sem importância, espremida no meio de poderosas e antigas civilizações. Ninguém imaginaria na época que algo significativo poderia acontecer naquela terra. Esse pequeno e estreito pedaço de terra nunca teve importância econômica ou cultural. Servia apenas de ligação terrestre entre duas grandes culturas e economias: o Egito e a Mesopotâmia. Mas, em breve, ela iria se tornar importante na consciência religiosa da humanidade. De maneira significativa, essa terra viria a ofuscar tudo o que ocorreu antes ao redor dela”. (Bíblia A Mensagem)
          Aquela gente não tinha outra coisa, a não ser uma promessa. E para alcançá-la, haveria muita luta e dificuldade. Então, era preciso crer e lutar.
          O apóstolo Paulo escreveu: “Pois tudo o que foi escrito no passado foi escrito para nos ensinar, de forma que, por meio da perseverança e do bom ânimo procedentes das Escrituras, mantenhamos a nossa esperança”. Rm.15:4
         Portanto, essa velha história bíblica do povo de Israel nos ensina que precisamos crer na promessa do cuidado de Deus sobre nossas vidas, e que vamos experimentá-la, não nos banhando num mar de rosas ou voando num céu de brigadeiro. Haverá espinhos e turbulências, mas a promessa não será arranhada ou ofuscada. Ela se cumprirá. Por isso, com toda paciência e coragem, vamos nos encher de uma santa esperança para viver esse novo ano.
Rev. Joel

Mais um ano vai-se embora...


“...esqueço aquilo que fica para trás e avanço para o que está na minha frente. Corro direto para a linha de chegada a fim de conseguir o prêmio da vitória. Esse prêmio é a nova vida para a qual Deus me chamou por meio de Cristo Jesus”. Fp.3:13,14 (BLH)
“Paulo compreendia bem o quanto os gregos valorizavam a performance intelectual e física dos seres humanos. Os discursos, as artes e os esportes revelavam – para os gregos - a própria divindade misturada à alma humana. O vencedor das corridas gregas recebia uma grinalda de folhas em sinal de divindade e, muitas vezes, um alto valor em dinheiro. Paulo faz uma analogia com o grande prêmio dos cristãos: a glória da salvação eterna, não conquistada por esforço ou capacidade, mas por meio da graça de Deus através do sacrifício de Cristo”. (Bíblia KJ)
Com certeza há muitas coisas a serem esquecidas nesse ano que agora termina. Mágoas, decepções, rancores, maus hábitos, desejos nada santos, etc. Essas coisas precisam ser esquecidas e abandonadas, pois podem impedir que avancemos na vida.
2016 está chegando, e com ele novas possibilidades. Como disse Paulo, devemos avançar para o que está à nossa frente. E o que já está posto para nós é a nova e empolgante vida que Deus já nos deu através de Jesus Cristo, e, que será plena quando atravessarmos a linha de chegada.
Também sabemos que a vida nos trará seus desafios e dificuldades no próximo ano; entretanto, “...a tua graça é melhor que a vida”. Sl.63:3
Portanto, não nos esqueçamos da recomendação de Jesus: “...buscai, pois, em primeiro lugar, o seu reino e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas”. Mt.6:33
Quando priorizamos Deus, somos abençoados. Faça isso e “Feliz ano novo”.

Rev. Joel

O poder do Natal


O natal, entre outras coisas, é o poder de Deus em ação. Desde o momento em que Maria recebeu do anjo Gabriel a notícia de que ficaria grávida e daria à luz a um menino (sem precisar de ultrassom), e que ele deveria se chamar Jesus, ela pergunta como isso seria possível se não tinha relação sexual com homem algum. Aí o anjo responde: “Descerá sobre ti o Espírito Santo, e o poder do Altíssimo te envolverá com a sua sombra; por isso, também o ente santo que há de nascer será chamado Filho de Deus”. Lc.1:35
No seu extraordinário cântico, depois de visitar Isabel, Maria afirma “...porque o Poderoso me fez grandes coisas. Santo é o seu nome.” Lc.1:49
Em contrapartida, o natal também conta a história de um outro poder, nada santo, ou seja, de Herodes. Ele era chamado de Herodes “O Grande”, e havia recebido do Senado romano o título de “rei da Judéia” e, por isso, ficou conhecido como “rei dos judeus”. Alarmado com a notícia de havia nascido o Rei dos judeus, e não podendo colocar suas mãos nele, manda matar todos os meninos nascidos em Belém naquele período. Tragédia.
Voltando ao cântico de Maria, ali ela fala sobre o embate desses poderes: “...A sua misericórdia vai de geração em geração sobre os que o temem. Agiu com o seu braço valorosamente; dispersou os que , no coração, alimentavam pensamentos soberbos. Derribou do seu trono os poderosos e exaltou os humildes. Encheu de bens os famintos e despediu vazios os ricos...” Lc.1:50-53
Mais tarde, um descendente de Herodes “O Grande”, conhecido por Herodes Agripa, e farinha do mesmo saco, teve uma morte horrível, por se achar um deus e não um homem. Diz o relato bíblico, em Atos 12:20-23, que ele foi ferido por um anjo e comido de vermes, expirou. O clássico historiador judeu Flávio Josefo registrou em sua obra “Antiguidades” os detalhes horríveis da morte que sobreveio a Herodes no ano 44 d.C.
A história do natal nos fala do poder de Deus, que agiu para abençoar a humanidade, mas também dos podres poderes que produziram muita desgraça. Ambos estão presentes ainda hoje no mundo. E o natal nos reafirma que o poder do Altíssimo prevalecerá sobre os podres poderes, estejam eles onde estiverem, inclusive em Brasília.                                                                        
Rev. Joel

Mais uma vez...felicidade


As palavras proferidas por Cristo no sermão do monte, registradas por Mateus o evangelista, no capítulo cinco das sagradas escrituras, mostram com clareza irrefutável, que bem aventurado ou melhor traduzido , "felizes", são aqueles que se alimentam de algumas virtudes essenciais que os tornam assim: "Felizes".
Na música intitulada, "A felicidade", de Tom Jobim e. Vinicius de Morais, o refrão diz: "Tristeza não tem fim, Felicidade sim..." Em sua visão de realidade e sentimento parece mesmo que a felicidade é algo que vem e logo passa.
No entanto o que aprendo com o ensino de Cristo é que felicidade duradoura tem mais a ver com absorver e assimilar as virtudes expostas por Cristo ao longo de nossa historia, do que um breve desejo ou sonho realizado num momento pontual, que acontece e passa.
Que virtudes são estas? Humildade, capacidade de chorar, ser manso, ter fome e sede de justiça, ser misericordioso, ter o coração puro, procurar promover a paz, ser justo, ser seguidor de Cristo.
Se estas virtudes integrarem a nossa vida, a afirmação bíblica diz que seremos felizes. Entretanto é importante lembrar que tais virtudes só terão efeito quando fizerem parte constante de nossa alma, mente e coração e sobretudo  de nossas atitudes. 
Mahatma Ghandi já dizia: "Felicidade é quando o que você pensa, diz e faz, estão em harmonia". Atente para isto, pois bem aventurado é aquele que ouve e pratica. Seja você também feliz.
Feliz aqui, feliz agora, feliz sempre e...."Feliz Natal".
Rev. Edson

Mar de lama


Só faltava isso para o Brasil ficar “completo”; agora tem um mar de lama literal, horrivelmente visível, assombroso. Como se já não bastasse o “mar de lama” envolvendo empresas e partidos políticos, protagonistas dos últimos escândalos ocorridos nesse país. E pensar que o rompimento da barragem de Mariana poderia ter sido evitado; pois a empresa Samarco foi absurdamente negligente. Notícia veiculada pela Folha de São Paulo, dá conta de que “Nos dez anos anteriores ao episódio em Mariana, que devastou a bacia do rio Doce, estruturas da mineradora sofreram rompimentos e causaram danos”.
O que esperar de um país envolto em tanta lama, tanta podridão? Quem pode nos salvar, Joaquim Barbosa, Sérgio Moro ou algum outro paladino da justiça? Por melhores que sejam esses homens, eles não tem o poder de mudar esse Brasil. O que dizer do governo de São Paulo que tem um projeto para fechar escolas? Os brasileiros precisam fazer alguma coisa. Os brasileiros genuinamente cristãos precisam mais do que nunca encarnar sua fé, desenvolver sua missão integral, agir de alguma forma na sociedade e dizer que o ser humano precisa urgentemente se reconciliar com Deus, através da fé em Jesus Cristo, para depois reconciliar-se consigo mesmo e com os outros.
É maravilhoso o texto do profeta Ezequiel que fala das águas purificadoras que saiam do trono de Deus, uma alusão ao Espírito Santo agindo sobre a humanidade: “Então me disse: Estas águas saem para a região oriental, e descem a campina, e entram no mar Morto, cujas águas ficarão saudáveis. Toda criatura vivente que vive em enxames viverá por onde quer que passe este rio, e haverá muitíssimo peixe, e, aonde chegarem essas águas, tornarão saudáveis as do mar, e tudo viverá por onde quer que passe esse rio”. Ez.47:8,9
O Pai enviou seu filho Jesus Cristo ao mundo, que por sua vez nos deixou o Espírito Santo em seu lugar. O natal que se aproxima nos lembra disso. O rio de Deus, das águas purificadoras, está correndo, há esperança.
Rev. Joel

A Igreja e o individualismo


“Não abandonemos a tradição de nos reunirmos como Igreja, segundo o procedimento de alguns, mas, pelo contrário, motivemo-nos uns aos outros, tanto mais quanto vedes que o Dia está se aproximando” Hb.10:25 (Bíblia King James)
Se há alguma coisa que anda na contramão do cristianismo, nos dias de hoje, é o espírito individualista. Podemos observar isso no dia a dia; hoje, os supermercados tem sessões que oferecem porções individuas de vários produtos; diante das redes sociais as pessoas estão paradoxalmente sozinhas; nos grandes centros, até moradias tem sido pensadas para uma pessoa apenas. Expressões como “Cada um tem a sua verdade ou Eu faço meu culto e minhas orações”, também refletem esse teor individualista de nosso tempo.
Reportando-nos ao texto citado de Hebreus: “A expressão grega traduzida por ‘abandonemos’ transmite o sentido original de ‘deserção’. Deus planejou a Igreja para que os cristãos pudessem ser companheiros de caminhada, exortando e sendo exortados pelo Espírito e uns aos outros, em amor fraternal. Por isso não é concebível a teoria do culto exclusivo e distante da comunhão dos irmãos”. (Comentário da Bíblia King James).
O individualismo é mais uma armadilha que tem sufocado a vida de muitas pessoas, pois essa sensação de liberdade do tipo eu faço do meu corpo o que quiser, essa é a minha verdade, ninguém tem nada a ver com minha vida, vou me dar esse presente  etc, não é verdadeira, porque há um sistema com várias faces que manipula as pessoas e as faz dependentes não de pessoas, mas de coisas.
Por isso, a Igreja de Cristo aparece como alternativa extraordinária a esse perigoso e infeliz caminho do individualismo. “Então, avante! Cheios de fé, confiantes de que estamos apresentáveis para ele, vamos nos agarrar às promessas que nos fazem prosseguir. Ele sempre mantém sua palavra. Sejamos criativos no amor, no encorajamento e na ajuda. Não evite as reuniões de culto, como alguns fazem, desprezando os irmãos, ainda mais agora, que o grande dia se aproxima” Hb.10:22-25 (Bíblia A mensagem).


Rev. Joel

Diálogos e Confrontos


O nosso livro “Vontade divina e planos humanos”, publicado recentemente, analisa o dilema humano em diversas situações da vida, quando é necessário encontrar um caminho mais palpável e seguro. As inúmeras opções oferecidas pelas tradições culturais e práticas religiosas não trazem paz de espírito e orientação para o coração atribulado. Sabemos que a escolha equivocada pode custar alto preço e muitas lágrimas. Devemos buscar em Deus o nossa orientação, como clamou o salmista:
Por que estás abatida ó minha alma? Por que te perturbas dentro de mim? Espera em Deus, pois ainda o louvarei, a Ele, meu auxílio e Deus meu” Sl. 42:11.
Precisamos aprender a buscar a vontade divina por meio de diálogos com o nosso Criador, consultando a sua Palavra e suplicando por discernimento e sabedoria nos momentos mais críticos, quando nossas emoções falam mais alto. Saber ouvir, aguardando a manifestação divina em nossas vidas é o segredo espiritual que fortalece a vida cristã em nossa jornada diária. Quando, em vez de dialogar nós confrontamos a Palavra de Deus, desprezando-a e fechamos nossos ouvidos, endurecendo o coração, passamos a experimentar a ansiedade e angústia que podem nos levar à depressão espiritual.
Os exemplos bíblicos são abundantes ao referir-se a pessoas que, mesmo tendo a boa intenção de servir a Deus, não quiseram estabelecer um diálogo, mas resolveram confrontá-lo e desobedecer. O profeta Jonas traduz toda a inconformação humana em querer fazer o que lhe agrada e extravasando sentimentos e emoções. O profeta não conseguiu admitir que devia falar de amor e perdão aos seus inimigos ninivitas, por isso resolveu fugir e fazer o contrário da vontade divina manifesta à ele.. Somente depois de sofrer, percebeu que o diálogo com Deus é muito melhor e mais consolador do que o confronto.
Cada ser humano tem a sua oportunidade de buscar a Deus para conhecer e realizar a vontade divina.  Esperamos que isto aconteça em sua vida para que você seja uma pessoa realizada em Cristo e uma bênção onde estiver.
                                 

Rev. Osvaldo Henrique Hack

Proclamar

O verbo proclamar pode ser um transitivo direto, serve para: declarar enfaticamente; afirmar, asseverar.
Como sabemos hoje é 15 de novembro, e só para lembrar, que apesar de tudo,     ”como dizem”, somos brasileiros com muito “orgulho”. A proclamação da República do Brasil no dia 15 de novembro de 1889, serviu para mudar o estado político e social do país, de um regime de monarquia constitucional parlamentarista do império para o regime republicano, acabando com a soberania de Dom Pedro II, imperador do Brasil naquele tempo. E o então Marechal Deodoro da Fonseca, trabalhar para a instalação da República provisória e se consagrar primeiro presidente do Brasil.
Neste feriado lembramos com alegria a proclamação da república do Brasil. No entanto é com tristeza que junto com isto, deparamos com a proclamação de noticias não tão salutares ao país procedente de muitos de nossos governantes inescrupulosos que inibem o desenvolver da nação com ações muito conhecidas, de natureza corrupta, corruptora, e  egocêntricas. 
Não bastasse, estamos pasmos diante da proclamação também dos últimos acontecimentos, o acidente das barragens de Fundão e de Santarém, na unidade industrial de Germano, localizada nos municípios de Mariana e Ouro Preto, em Minas Gerais, identificada na tarde do dia 5 de novembro. Onde vidas foram ceifadas e milhares perderam tudo.
Diante disto, penso que o momento é de consternação, de solidariedade, sobretudo de proclamação de algo que pode devolver, nem que seja um pouco da nossa esperança. Para tanto encontrei alento ao ouvir as palavras do profeta Isaias que diz:
1.  O Espírito do Soberano, o Senhor, está sobre mim, porque o Senhor ungiu-me para levar boas notícias aos pobres. Enviou-me para cuidar dos que estão com o coração quebrantado, anunciar liberdade aos cativos e libertação das trevas aos prisioneiros.
2.  Para proclamar o ano da bondade do Senhor; para consolar todos os que andam tristes,
3. E dar a todos os que choram em Sião uma bela coroa em vez de cinzas, o óleo da alegria em vez de pranto, e um manto de louvor em vez de espírito deprimido. Eles serão chamados carvalhos de justiça, plantio do Senhor, para manifestação da sua glória. 61:1-3
Minha oração é que Deus me ajude a ser mais um como Isaias, para nestes dias de turbulência aqui, proclamar, simples e objetiva, o alento, a vida e a esperança, ao coração de pessoas habitantes desta nossa querida nação brasileira. Convido você a ter este mesmo desejo e a fazer esta mesma oração.                               
Rev. Edson

Tempo certo



 “Para tudo há uma ocasião certa; há um tempo certo para cada propósito debaixo do céu:
Tempo de nascer e tempo de morrer, tempo de plantar e tempo de arrancar o que se plantou, tempo de matar e tempo de curar, tempo de derrubar e tempo de construir, tempo de chorar e tempo de rir, tempo de prantear e tempo de dançar, tempo de espalhar pedras e tempo de ajuntá-las, tempo de abraçar e tempo de se conter, tempo de procurar e tempo de desistir, tempo de guardar e tempo de jogar fora, tempo de rasgar e tempo de costurar, tempo de calar e tempo de falar, tempo de amar e tempo de odiar, tempo de lutar e tempo de viver em paz.” Ec.3:1-8
O tempo passa tão rápido, mas tão rápido, que para alguns 2015 já acabou. Parece que o tempo foge de nós e não temos como segurá-lo. Bem, minha intenção aqui não é filosofar sobre o tempo, pois muitos já fizeram isso, e muito bem; minha intenção é outra, pois ao olhar esse texto de Eclesiastes, podemos pensar o tempo de forma mais prática, ou seja, o que marca o seu tempo agora, qual a circunstância que te envolve hoje, em que momento você está de sua vida, o que caracteriza o seu tempo presente, a alegria ou a tristeza?
Todos nós vivemos esses altos e baixos, estamos sujeitos às intempéries da vida e também nos alegramos com os dias calmos e suaves. Creio que em todas as circunstâncias, o mais importante é mantermos a fé, a esperança e o amor.
A fé – “Ora, a fé é a certeza daquilo que esperamos e a prova das coisas que não vemos.” Hb.11:1
A esperança – “Porque, na esperança, fomos salvos. Ora, esperança que se vê não é esperança; pois o que alguém vê, como o espera?” Rm.8:24
O amor – “Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três; porém o maior destes é o amor.” I Co.13:13
O tempo certo é o tempo de Deus em nossas vidas – “E a esperança não nos decepciona, porque Deus derramou seu amor em nossos corações, por meio do Espírito Santo que ele nos concedeu.” Rm.5:5
Tenha, acima de tudo, tempo para Deus em sua vida. E que ele te abençoe!

Rev. Joel